sábado, 28 de março de 2009

A arte justifica a dor? - Lesões na dança

Hoje, pesquisando a possível causa da minha dor na coxa, fui parar não sei como num site que falava sobre estalo do quadril. E, por acaso, há um tempão que eu já tinha notado que meu quadril estalava na hora do plié (ou a qualquer momento), mas nem liguei, sempre fui meio cheia de coisas esquisitas mesmo! Mas dizia no site que é comum bailarinas terem isso, e comecei a pesquisar mais. Fui parar, então, num site que falava sobre várias lesões comuns na dança (e principalmente no Ballet Clássico), e achei bem interessante, apesar de não ter gostado muito de descobrir que tenho a maioria delas! Mas, sinceramente, eu nem ligo. Como diz a introdução do texto, na opinião do bailarino "a arte justifica a dor e, no palco, o “show sempre deve continuar”". E, apesar de saber que não é muito bom, é exatamente como eu penso. Mas acho que é interessante conhecer, nem que seja pra saber que aquela sua dorzinha nas costas é, nada mais, nada menos, que uma Espondilolistese degenerativa. Veja aqui o artigo e descubra quantas coisas de nomes estranhos você tem e nem sabia!

quarta-feira, 25 de março de 2009

Brincadeira de criança, como é bom! - Dolls

Olá adoradores da dança! Hoje eu vou postar uma coisa que é meio bobinha, mas achei interessante (e, afinal, é uma coisinha e é bailarinística, então tá válido!). Outro dia, num momento de tédio (juro que foi só pelo tédio), fui persuadida pela minha amiga a ir montar dolls. Não fiquei muito animada com a idéia, mas quando entrei no site percebi que... TEM DOLLS DE BALLET! E não é uma coisa mal-feita com a fita da sapatilha amarrada até o joelho e posições inventadas nãaao, é super bonitinho! O pé da bailarina tá en dehors e tudo! Tudo bem que dolls não são a coisa mais divertida do mundo, mas quem vai negar que já passou horas na frente do pc brincando disso um dia? E gente, é ballet! E tudo que tem a ver com ballet é lindo! Então deixe a vergonha de lado e clique aqui para brincar (afinal, ninguém vai ficar sabendo mesmo)!

segunda-feira, 23 de março de 2009

Bailarinas X Hamburguer - Posição das mãos

Boa tarde queridos leitores! Eu já estava há um tempo planejando fazer um post sobre a posição das mãos no ballet, mas não estava conseguindo fontes para retirar informações. Rodei a internet inteira procurando algum artigo que falasse sobre isso, e não encontrei nenhum! Escreverei, então, a partir do meu próprio conhecimento. As mãos, embora muitas vezes esquecidas ou não recebendo a devida importância, são uma parte importantíssima da dança. Elas são uma parte muito expressiva do corpo, e, quando não posicionadas corretamente, cortam a graciosidade do movimento.
O primeiro ponto a ser observado é o pulso. As mãos precisam seguir a linha dos braços e, portanto, o pulso não pode ficar "caído". Por outro lado, não se deve tensioná-los, é preciso sustentá-los, mas sem força.
O segundo ponto a ser observado é a posição dos dedos, que segue um padrão no ballet clássico. O dedão precisa ficar escondido, próximo à parte interna da mão. Nada mais feio do que alguém dançando com o dedão à mostra, como se estivesse segurando um hamburguer! O dedo médio e o anelar ficam juntos, um pouco mais para dentro do que o mínimo e o indicador. O indicador é levemente projetado para fora. Todos os dedos devem ficar relaxados, porém alongados. Espero que tenham entendido! Qualquer dúvida deixem um comentário, e até a próxima!

domingo, 22 de março de 2009

Nunca é tarde para ser feliz

Uma das perguntas que eu mais ouço e vejo em comunidades ou coisas relacionadas a ballet é "Estou muito velha para começar?". Bem, aqui começa a minha opinião. Eu comecei a fazer ballet com 13 anos. Eu acho que não seria tarde pra começar a fazer qualquer outra coisa, mas pra ballet é. Algumas -e não são poucas- bailarinas já são maravilhosas com 13 anos! Já fazem todas as coisas que, por enquanto, eu apenas sonho em fazer. Mas eu acho que começar tarde tem um lado positivo enorme. As bailarinas mais apaixonadas que eu conheço começaram tarde. Ainda que tudo pareça impossível demais, a gente segue em frente por amor. E o amor, que é a verdadeira essência de qualquer tipo de arte, não tem limite de idade. Junto a cada barreira que surge, surge também a satisfação de lutar e superar. É uma coisa que prende. Se fosse fácil não teria graça. Eu acho que, se eu tivesse começado cedo no ballet, já teria largado há muito tempo, como eu larguei a grande maioria das coisas que eu já fiz na vida. Mas é por ser tão difícil, tão ingrato, é que se torna desafiador. E desafios mantem os seus pés no chão, ao mesmo tempo que te permitem voar cada vez mais alto.

"O maior prazer da vida é fazer o impossível"

sexta-feira, 20 de março de 2009

Wallpapers Do Dance

Boa tarde bailarinas(os)! Agora que já postei todas as dicas importantes que consegui encontrar (conforme eu encontrar mais, volto a postá-las), vou começar a postar coisinhas fofas e afins. Hoje, estou pondo aqui uma lista de papéis de parede muuuito lindos e fofos da Do Dance. Que bailarina não quer ligar o computador e se deparar com a perfeição desses personagens maaaaravilhosos? Escolha uma imagem abaixo e, ao abrir a imagem ampliada, clique com o botão direito do mouse, clique em "Definir Como Plano de Fundo" e seja feliz!


quinta-feira, 19 de março de 2009

Piruetas - Ai meu deus!

Piruetas são uma parte muito importante do ballet. São também consideradas, por muitos, um passo de extrema dificuldade, já que vários pontos precisam ser obervados na execução da mesma. A Pirouette, como se diz no francês, pode ser executada de muitas maneiras: en dehors, en dedans, a la seconde, en attitude, en arabesque... Mas para todo giro a técnica é praticamente a mesma.
Focalizaremos a pirueta en dehors partindo de quinta posição.

Primeiro de tudo, não só para as piruetas, mas para tudo do ballet: o encaixe do quadril. Se o bailarino não estiver bem encaixado, isso irá refletir diretamente no eixo. É o que geralmente acontece quando alguém despenca de um giro.

Segundo: Capriche no demi plié. Costuma-se dizer que a quantidade de piruetas é diretamente proporcional ao tamanho do plié.

Terceiro: Impulso. Ele refletirá na tirada rápida do passé. Se a tirada for lenta, o impulso será mínimo e será até mais difícil de abrir o en dehors.

Quarto: En dehors. Quando girar, abra o máximo que puder o joelho, como se houvesse alguma força puxando-o para trás. Essa força para trás é resultará também na qualidade e quantidade do giro. Cuidado para não relaxar o pé do passé!

Quinto: Cabeça. Marque um ponto certo para girar a cabeça. Se você acompanhar o corpo com a cabeça, com certeza ficará bem mais tonta que o normal e fará um giro na sorte. Se sentindo no eixo, e com cabeça: pronto! O básico para a pirueta perfeita já está pronto.

Sexto: Os braços. Esses dois membros que possuímos são muito importantes, mas devem ser usados com cautela, pois um grande vício pode vir a se formar daí. É certo que o braço ajuda no impulso, mas o braço completo: braço , antebraço , mão. Não se pode separar a mão do resto para pegar velocidade. Isso é um vício muito comum, e que tem que ser eliminado o mais cedo possível.

Encaixe, plié, impulso, en dehors, cabeça e braços!
Pense sempre nessa frase na fração de segundos da sua prepação de piruetas para o giro propriamente dito.

terça-feira, 17 de março de 2009

Ballet de repertório - O que é?

Ballet de repertório é o tipo de ballet que contém uma história dentro dele, que precisa contar com um número razoável de bailarinos e coreografias para ser executado. Tem um conjunto de passos que deve ser seguido minuciosamente (apesar de, às vezes, o coreógrafo fazer adaptações, que devem sempre ser citadas). Os ballets de repertório contam uma história usando a dança, a música e a mímica. Foram montados e encenados durante o século XIX, e até hoje são remontados com as mesmas músicas e suas coreografias de origem, baseados no estilo da escola que vai apresentá-lo. Seguem tradicionalmente sua criação.
Essa é uma lista dos mais famosos Ballets de repertório, com o link para os artigos da Wikipédia que falam sobre cada um:

O Quebra Nozes
Coppélia
O Lago dos Cisnes
Don Quixote
La Fille Mal Gardée
Giselle
A Bela Adormecida
La Sylphide
La Bayadère
Paquita

Flexibilidade - Tornando-se um pedaço de borracha

A flexibilidade é um aspecto muito importante na vida do bailarino, não só pelas bonitas possibilidades de movimento, mas principalmente porque auxilia na prevenção de injúrias. Quanto mais flexível for o bailarino, mais facilidade terá na execução dos passos e menos propenso estará a sofrer algum dano, principalmente em grandes saltos, que além de grande amplitude exigem que os movimentos sejam feitos de forma brusca. A flexibilidade é conseguida pouco a pouco, atráves de alongamentos que, quanto mais frequentemente sejam feitos, mais rapidamente é conseguido o resultado. (fonte: balletmonde.blogsome.com)
Segue um vídeo com alguns exercícios para aumento da flexibilidade de pernas e coluna, que são as mais necessárias e desejadas no mundo do ballet (sim, eu AMO os vídeos do Anaheim Ballet!).

Há também este vídeo, com diversos exercícios que auxiliam muito no trabalho para conseguir abertura.


Caso você esteja interessado em mais informações sobre alongamento e flexibilidade, visite este site.

Maquiagem de palco

A distância entre a platéia e o palco geralmente prejudica a visão de nossas expressões faciais. Numa apresentação de dança, a expressão é importantíssima, como forma de transmitir qualquer sentimento ao expectador. A maquiagem de palco existe para isso e também para outros casos, quando pode chegar até a fazer parte do figurino.

1. Espalhe pancake ou base (do tom da sua pele) por todo o rosto. Cuidado para o pescoço e o colo não ficarem com a cor diferente.

2. Contorne os olhos pelo lado de fora da pálpebra com um lápis ou delineador preto. O traço de cima nunca se encontra com o de baixo, e nos cantos de fora dos olhos alongue os dois traços paralelamente.

3.Passe a sombra colorida logo acima da pálpebra, passando o pincel de dentro para fora (no sentido do nariz para as orelhas). O colorido da sombra não deve ficar apenas acima dos olhos, mas deve alongar-se um pouquinho para os cantos de fora. (Ver desenho)

4. Entre as sombrancelhas e a sombra colorida, passe uma camada de sombra branca, espalhando no mesmo sentido.

5. Todas as formas de se alongar os cílios são válidas (curvex, cílios postiços, etc.) O rímel é obrigatório!

6. O blush deve ser passado na diagonal boca-alto da orelha. Para isso, faça bico com a boca como quem vai dar um beijo, e onde a bochecha ficar funda passe o blush. Sempre de dentro para fora.

7. Se a sua sobrancelha for muito rala ou curta, aumente-a com um lápis preto ou marrom. Lembre-se que a sombrancelha no palco deve ser realmente longa, estendendo-se além dos olhos. Nunca alongue a sombrancelha para baixo, pois você fica com cara de choro!

8. O batom também é imprescindível. Tons escuros como marrom, vinho ou roxo podem deixar a boca preta no palco, quando a luz azul é refletida.

9. Um traço de lápis branco na parte de dentro da pálpebra inferior valoriza e abre o olhar.

Quando você fizer a sua maquiagem, é provável que você ache que está exagerada demais. Mas não se deixe enganar, se você fizer uma maquiagem baseada na visão que você tem olhando de perto, a platéia mal vai perceber que você está maquiada. De longe, o que de perto te deixa parecendo uma palhaça vai apenas realçar os seus traços e as suas expressões (mas tenha bom senso, por favor!).

Pondo seu cabelo dentro de um coque

Uma bailarina deve estar sempre com o cabelo preso, portanto o coque é um item muito importante antes de iniciar a aula ou uma apresentação. Há várias maneiras de se fazer um coque, dependendo do tipo de cabelo, mas o importante é que esteja bem preso para que não atrapalhe a execução de nenhum passo. A bailarina deve estar concentrada na dança, nos exercícios, no seu corpo, e não preocupada em arrumar o cabelo ou tirar a franja do olho.

Essa é a maneira mais comum de se fazer um coque:
Faça um rabo de cavalo bem puxado. Ele pode ser: baixo (três dedos acima da nuca); médio (na reta da orelha); alto (três dedos acima da reta da orelha). Se você tem cabelo muito cheio, divida o rabo em dois. Torça as duas partes do cabelo ou o cabelo todo, e vá enrolando o cabelo torcido em volta da gominha do rabo de cavalo. Depois de enrolar a primeira parte de cabelo torcido, prenda-a com grampos e enrole a segunda por fora da primeira, de modo que o coque fique "espalhado" na cabeça. Coloque a redinha. Prenda a franja com um tic-tac (prendedor de cabelo). Em dias de apresentações, faça o rabo de cavalo com gel, para que o cabelo não solte "pedacinhos" ou arrepie os fios. Para que o coque fique mais firme, caso seu cabelo seja comprido, você pode fazer tranças ao invés de enrolar as partes do cabelo.

Porém, é bem possível que isso não se adapte ao seu tipo de cabelo, que você não consiga fazer em si mesma ou que não fique satisfeita com o resultado (afinal, bailarinas são seres naturalmente muito exigentes). Segue, então, um vídeo com 3 passo-a-passos de coques para diferentes tipos de cabelo (É em inglês, mas é possivel entender apenas observando). Identifique-se com algum e mãos à obra!

segunda-feira, 16 de março de 2009

Primeiro ponto - Posições de pernas e braços

- Na 1ª posição os pés devem estar en dehors (abertos), calcanhares se encontrando. Os braços ficam abaixo da altura do estômago à frente, arredondados.

- Na 2ª posição os pés devem ficar mais distanciados e en dehors, calcanhares afastados um do outro. Os braços agora continuam arredondados, só que abertos para os lados. Eles não devem ultrapassar dos ombros. Cuidado! A mão segue a linha do braço. Não deixe a mão caída. Fica muito feio.

- A 3ª posição é menos utilizada que as outras, e menos conhecida também. Consiste em pés en dehors, calcanhar da perna de base "colado" atrás do calcanhar da perna à frente. O braço da perna de trás deve estar arredondado e baixo ou à frente do tronco, enquanto o braço da perna da frente fica aberto como o braço da segunda posição.

- A 4ª posição se assemelha à quinta, mas os pés encontram-se afastados, um mais à frente do outro. A ponta do pé da perna de base faz linha com o calcanhar da perna à frente e vice-versa. O braço da perna de trás deve ficar levantado e arredondado, ligeiramente mais à frente que a cabeça, enquanto o braço da perna da frente fica aberto para o lado da perna, arredondado.

- Na 5ª posição, a ponta do pé de base fica exatamente atrás do calcanhar do pé da frente, com as coxas bem juntas uma a outra. Os dois braços devem erguer-se de forma arredondada igualada, mantendo-se sempre ligeiramente à frente da cabeça e as mãos a uma distância mais ou menos de 3 a 4 dedos.

Seja bem vindo!

Bem vindas bailarinas (ou bailarinos) do meu coração! Resolvi fazer esse blog porque, desde que ingressei nesse mundo bailarinístico, rodo a internet inteira a fim de conseguir dicas que possam me ajudar a sobreviver nessa (linda) selva. Vou tentar reunir aqui todas as coisas úteis que encontrar (portanto alguns textos não serão meus), além de coisinhas fofas e motivadoras (afinal, coisas motivadoras são sempre bem-vindas, porque a vontade de desistir insiste em estar sempre batendo a nossa porta; mas basta um videozinho bem lindo e tudo se resolve) e qualquer coisa mais que eu tenha vontade de postar. Começarei então, hoje, com um vídeo muito inspirador, que mostra bailarinos dançando pela rua, dizendo que um bailarino não precisa de um palco, apenas de uma alma. Acho que é um bom vídeo para inaugurar o blog, já que você, leitor, tenha acabado de sair da sua primeira aula de ballet ou tenha dançado por toda a sua vida -ou ainda, quem sabe, dance apenas em seus sonhos-, não importa o que te digam, não importa quantos tombos você leve, quantas decepções você tenha; se você tem uma alma bailarina, você não precisa de absolutamente mais nada.